sexta-feira, 12 de março de 2010

RESUMO DE LIVROS - MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa (org). Currículo: Políticas e Práticas.

O livro critica propostas oficiais que se afinam com a ideologia neoliberal e apresentam alternativas contrapondo a lógica econômica e social, focando o currículo da escola e a formação de professores.
O currículo é entendido como espaço coletivo e democrático que se ensina e aprendem conhecimentos úteis para um projeto coletivo a busca de uma democracia radical e plural.
Nos anos 60 e 70, o Brasil sofreu influencias americana no seu currículo indo até inicio dos anos 80.
Num segundo momento, final da década de 80, com grades mudanças políticas e econômicas, na luta em se tornar mais autônomo, assimilaram criticamente a produção estrangeira, adequando a nossa realidade. A presença do Banco Nacional na nossa política educacional os princípios da ideologia neoliberal norteiam uma educação competitiva, mas produtiva e sintonizada com as demandas das empresas e indústrias. Os PCNs são exemplos dessas medidas.
Nos anos 90, com o surgimento da aldeia global, comunidade eletrônica, diferentes saberes formas de vida e visões de mundo se encontram, causando ma homogeneidade, mas também criticando idéias e teorias, sugere-se que não exista uma cultura em estado puro. Mas uma hibridação, misturando-se e provendo sínteses muitas vezes criativas.
Em relação ao currículo, os cosmopolitas, pesquisadores que se apropriam criticamente e criativamente da produção de outros paises e baseiam-se nelas para soluções e propostas.
Na América Latina discursos sobre reformas educacionais estão associados a um projeto político. E na perspectiva neoliberal.
O Banco Mundial, tem propiciado uma homogeneidade discursiva das políticas educativas,, enfatiza a educação básica, qualidade da educação, descentralização do financiamento e administração, participação da comunidade, recursos adicionais e de defesa de políticas com base em analises econômicas.A reforma do currículo, como a inclusão de temas transversais, municipalização do ensino, sistemas nacionais de avaliação, conteúdos básicos e formação de professores.
Autores defendem uma reforma apoiada em pessoas, profissionalização dos professores, a identidade histórica regional.
Quanto aos temas transversais é criticado por remeter um multiculturalismo conservador, tem-se por alternativa incorporar o pluralismo cultural como principio de atuação político educacional.
Quanto a formação docente, o enfoque multicultural deve ser defendido, classificado em conservador,m liberal, de esquerda e critico.
Arroyo, critica que as inovações são vistas como iniciativas do alto, o diagnostico social da escola é vista por fora, as inovações são centradas em conteúdos, programas. Os PCNs reforçam isto, porem as Leis tenta negar ao reafirmar a autonomia dos professores e equipe.
As discussões sobre currículo vêm da dinâmica política e cultural da sociedade, propicia politização. Inovar é, então, redefinir saberes escolares mudar concepções e desenvolver consciência critica dos professores, com um dialogo entre os atores para redefinir culturas, formular políticas, pesquisar e teorizar. A pratica cotidiana na sala de aula deve ter mais dialogo, descobrindo valores e diversidades coletivamente, é entender que toda ação educativa é uma ação humana, cultural, entre pessoas socioculturais, dando ressignificação aos conteúdos e programas. É necessário que os professores tenham acesso ao conhecimento produzido na área de educação e na cultura em geral, repensar sua pratica e reconstruí-la como cidadãos e atuar como sujeitos da produção do conhecimento.

Um comentário:

  1. Muito bom, Lídia! Acrescentaria a necessidade do professor se reconhecer enquanto sujeito, pois só assim, teria condições de produzir conhecimentos.

    ResponderExcluir